quarta-feira, 25 de julho de 2012

Pensamentos pós Beneath the Ashes e Lara's Shadow

Em primeiro lugar, vou admitir que a exclusividade destes dois DLCs foi o que me levou a adquirir um Xbox 360. Já possuia um Wii e um PlayStation 3, mas quando a oportunidade surgiu, imediatamente pensei no que estava perdendo. Não posso dizer que me arrependo da compra, mas é fato que o console está encostado e pegando poeira desde então. Talvez isso mude com o lançamento de Tomb Raider ano que vem, já que novamente o Xbox 360 vai sair na frente com os DLCs, mas ainda assim, considero o PlayStation 3 superior em todos os aspectos.

Mas vamos ao que interessa. Começando por Beneath the Ashes, eu lembro de todas as teorias de conteúdo excluído do jogo para ser vendido separadamente depois, mas eu as considero implausíveis. Os conceitos e ideias talvez até existiram, sim, mas foram descartados do jogo principal e reaproveitados depois. A sala com a roda d'água talvez seja o melhor exemplo, basta comparar a presente na versão de Wii com a do DLC e notar que a ideia foi extrapolada no DLC.

Talvez o ponto mais fraco de BtA seja o artefato principal. Uma palavra escrita à eitr nele permite não só criar, mas também controlar, os thralls. O que é curioso aqui é que o artefato em si passa a ser somente um acessório: saber a palavra mágica é o suficiente. E mais contradizente ainda é que a Doppelganger, que nunca teve suas origens exatamente definidas, passa a ser uma dessas criaturas.
A fase em si é excelente. A ambientação é bastante diferente de qualquer coisa vista em Underworld e os novos desafios são bem elaborados, acho que nada em TRU pode ser comparado com o puzzle do dragão perto do fim da fase. Também variando um pouco do jogo original, os inimigos assumem a forma do novo thrall templário.

Encerrando BtA, passamos para Lara's Shadow. Para ser brutalmente honesto, eu esperava que explorariam melhor a Amanda quando tudo que sabia-se do DLC era o nome, afinal ela sempre esteve ali, "à sombra de Lara". Não que o pacote que recebemos seja ruim, afinal a Doppelganger é um dos personagens que mais se destacou, mesmo sendo extremamente mal aproveitada, em TRU.

O nível é interessante e extenso, mas infelizmente se torna maçante. Após aprender a controlar a versão malvada de Lara, dotada de ataques físicos poderosos bem como o "shadow power", que lhe permite movimentar-se mais rapidamente por breves períodos de tempos, partimos em busca do que restou de Natla. Eu adoro a Natla, mas acho que convém compartilhar esta paródia aqui no blog:


Natla, mesmo sem ter o artefato em questão, obviamente não esqueceu a palavra mágica e retoma o controle da Doppelganger, exigindo que ela a leve até seu local de criação, onde um mirabolante dispositivo de eitr existe. Por algum motivo, esse dispositivo não está funcionando e, imediatamente, a culpa é atrelada à Amanda. Como raios isso é possível eu também não sei, por isso que realço o quão interessante, de um ponto de vista narrativo, seria um DLC que explorasse melhor a Amanda - não esquecendo seu fascínio por Avalon. Hm, muito material para desenvolver uma fanfic, já que essa cronologia foi abandonada.

Voltando ao nível... Após elevar uma torre de eitr gigantesca, recebemos novas ordens e a pequena reviravolta na história. Retraçamos praticamente os mesmos passos com o novo objetivo de desfazer tudo o que havíamos feito. Esse, sim, de longe, me pareceu um artifício apenas para estender a duração do nível.

Junto com o sistema de combate corpo-a-corpo, que é interessante nos primeiros 15 minutos, o "shadow power" também torna as sequências de plataforma mais dinâmicas e rápidas. Ainda no quesito novidades, outro tipo de thrall, maior que os yetis de TRU, aparece no jogo. BtA trouxe diversas roupas novas, enquanto LS perdeu a oportunidade de oferecer variantes para Doppelganger, como a arte no início do artigo, um dos primeiros conceitos para a personagem. Detalhe para os vestígios de eitr no corpo da personagem.

No final das contas, em minha opinião, BtA é muito mais interessante que LS (e TRU, de certa forma). Ambos são ótimos, possuem a duração aproximada de uma hora cada e deveriam, no mínimo, ter recebido versões para PC também. Como disse no início, esse contrato de exclusividade foi o único motivo pelo qual comprei um Xbox 360 mas, como um todo, a plataforma pouco me agrada e, obviamente, muitos jogadores simplesmente optaram pela rota do boicote ao invés.

À seguir tenho Lara Croft and the Guardian of Light. Não estou procrastinando seu início à toa: estou apenas aguardando a disponibilidade de minha parceira para poder desfrutar do jogo da forma que deve ser.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Lara's Shadow


[ * * * ]

Como dito, não disponho de meios para produzir screenshots no momento (a fotografia acima foi feita apenas para ilustrar esta postagem). Para compensar, deixarei aqui as cutscenes que ocorrem no desenrolar deste nível:











domingo, 22 de julho de 2012

Beneath the Ashes


[ * * * ]

Como dito, não disponho de meios para produzir screenshots no momento (a fotografia acima foi feita apenas para ilustrar esta postagem). Para compensar, deixarei aqui as cutscenes que ocorrem no desenrolar deste nível:



Tomb Raider: Underworld Expansion Pack

Como é de conhecimento global, estes dois níveis são exclusivos para o Xbox 360. Foram disponibilizados após o lançamento do jogo através da Xbox Live e palavras são incapazes de medir o descontentamento dos fãs. Da mesma forma que muitos fãs até hoje nunca jogaram as expansões dos três primeiros jogos, poucos conferiram esses dois níveis que, em minha opinião, superam praticamente tudo que Underworld oferece. 

Ao contrário das expansões anteriores, nunca foi disponibilizada em disco (nem mesmo numa versão "Gold" do jogo), porém a rede americana GameStop colocou a venda cartões pré-pagos em uma caixa com arte própria. Consegui adquirir uma dessas através de um amigo que esteve nos Estados Unidos alguns anos atrás, abaixo você pode conferir a capa digitalizada.

São dois níveis que retratam acontecimentos após a conclusão da história principal. O primeiro se desenrola em criptas ancestrais localizadas abaixo da agora destruída mansão de Lara, na Inglaterra, onde outro artefato recuperado por seu pai está perdido. O segundo é protagonizado pela Doppelganger, que traz mecanismos próprios de jogabilidade, e leva a personagem em busca de uma maneira de restaurar sua criadora (sim, novamente, Natla).
Infelizmente não possuo os recursos necessários para produzir séries de screenshots como fiz até aqui, mas se algum dia tiver acesso à uma placa de captura sem dúvida retomarei essa ideia. Além desses dois pacotes de expansão, o Xbox 360 também recebeu algumas roupas extras, incluindo biquínis e duas roupas desenhadas por estilistas num evento que aconteceu no Canadá na época

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Coleção: Camisetas

Aproveitando o gancho da minha última aquisição para a coleção, e também um merecido turno de folga do serviço, desenterrei do meu armário minhas camisetas relacionadas a Tomb Raider. Algumas dessas peças já celebraram muitas primaveras, então perdoe o notável desgaste nelas (e minha notória inaptidão como fotógrafo).

Outras, em contrapartida, vesti em apenas uma ou duas ocasiões. Fanboy como sou, na época em que Underworld foi lançado, eu lembro de ter circulado pelo principal shopping da cidade vestindo a camiseta do jogo. Na frente tem apenas o logo, pequeno e discreto, mas nas costas está a arte utilizada na caixa do jogo em todo seu esplendor (mesmo caso da maravilhosa camiseta do Legend). Hoje eu provavelmente já nem entraria nesta camiseta, mas enfim, apenas uma curiosidade não tão curiosa.
Logo bordado LCTR Estampada Estampada
Angel of Darkness Legend Underworld
Nerd Machine x2 Atlantean Scion Tomb Raider Shield Tee
As duas peças estampadas estão entre minhas primeiras aquisições através do MercadoLivre, assim como a camiseta com o logotipo do primeiro filme. Como possuo duas camisetas da Nerd Machine feitas para o 15º aniversário, coloquei as duas na mesma foto, aproveitando para mostrar as costas da mesma.

Minha meta agora é descolar uma das camisetas do novo Tomb Raider. São básicas, mas extremamente atraentes.

Atualizado em 22/10/2012: Tomb Raider Shield Tee.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Guia de troféus para Tomb Raider Underworld

Este na verdade foi o primeiro guia de troféus que eu escrevi, e não surpreendentemente também para o portal PS3 Brasil. Existiram duas versões do guia, a primeira era bastante simples, feita nos moldes dos guias então presentes no portal, mas com o decorrer do tempo eu sugeri e implementei o modelo utilizado atualmente, desde então os guias tem sido mais detalhados e abrangentes. 

Devido ao meu TOC, eu me senti na obrigação de revisar os meus guias antigos para deixá-los no novo padrão, portanto aqui presente está a versão revisada. Assim como os outros guias postados até aqui, por favor, clique no logo abaixo para conferir o guia diretamente na fonte.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Telas de loading de TRU

Eu quase deixei estas passar em branco, mas graças ao TexMod consegui extrair as imagens utilizadas durante o loading das fases de TRU. No jogo existe uma outra camada gráfica por cima desta imagem, além de outra com o texto introdutório e os menus de seleção de roupas e armas secundárias, então embora o pano de fundo seja exatamente o mesmo, a apresentação delas aqui difere um pouco do que é visto no jogo.

As imagens da versão de Wii são notavelmente diferentes (com exceção da Croft Manor), você pode conferí-las abaixo, com o adequado uso da expressão "com exclusividade". Até o momento desta postagem, eu nunca havia visto qualquer delas online, e como a tela da fase de Jan Mayen é a que mais difere da versão original, pensei que o esforço de extrair todas imagens seria mais do que válido. Novamente, o mérito é todo do Dolphin, mas suponho que meu TOC mereça um mínimo de crédito.

Arctic Sea